Variedade Linguística

A ideia dessa atividade foi gestada após a explanação do conteúdo Variedade Linguística.

Entende-se por variação linguística os vários falares entre falantes de uma língua. Toda língua natural tem suas variações. Em se tratando da língua portuguesa, pode-se citar como uma das principais variações a diferença entre os falares do Brasil e de Portugal.

No Brasil temos muitos falares. Essa variação é justificada não apenas pelo fato histórico, que, necessariamente, leva a profundas transformações qualquer língua, como também pelas diferenças regionais, sociais, grau de escolaridade, sexo e principalmente pelas categorias profissionais (jargões).

Apesar de algumas variações linguísticas não apresentarem o mesmo prestígio social no Brasil, não devemos fazer da língua um mecanismo de segregação cultural, corroborando com a ideia da teoria do preconceito linguístico, julgando determinada manifestação linguística superior a outra, sobretudo superior às manifestações linguísticas de classes sociais ou regiões menos favorecidas.

Para exemplificar esse conteúdo de modo lúdico - na tentativa de despertar o interesse do nosso aluno - trabalhamos com tirinhas humorísticas, poemas, quadrinhos e um texto de apoio com dialetos regionais estereotipados. Todo o material foi apresentado aos alunos com o recurso da lousa digital.

Dialetos regionais apresentados com estereótipos

Assaltante nordestino

Ei, bichim... 

Isso é um assalto... Arriba os braços e num se bula nem faça bagunça...Arrebola o dinheiro no mato e não faça pantim senão enfio o peixeira no teu bucho e boto teu pra fora!"

Perdão meu Padim Ciço, mas é que eu tô com uma fome de moléstia...

Assaltante mineiro

Ô sô, prestenção... Isso é um assalto, uai...

Levanta os braços e fica quetin que esse trem na minha mão tá cheio de bala...

Mió passá logo os troado que eu num tô bão hoje.

Vai andando, uai! Tá esperando o que uai!!

Assaltante gaúcho

Ô guri, ficas atento... Báh, isso é um assalto.

Levantas os braços e te aquieta, tchê.

Não tentes nada e cuidado que esse facão corta uma barbaridade, tchê.

Passa os pilas prá cá! E te manda a la cria, senão o quarenta e quatro fala.

Assaltante carioca

Seguiiinnte, bicho ... Tu te ferrou. Isso é um assalto...

Passa a grana e levanta os braço rapá... Não fica de bobeira que eu atiro bem pra caramba

Vai andando e se olhar pra trás vira presunto...

Assaltante baiano

Ô meu rei... ( longa pausa)

Isso é um assalto... (longa pausa)

Levanta os braços, mas não se avexe não... (longa pausa)

Se num quiser nem precisa levantar, pra num ficar cansado... Vai passando a grana, bem devagarinho... (longa pausa)

Num repara se o berro está sem bala, mas é pra não ficar muito pesado... Não esquenta, meu irmãozinho, (longa pusa)

Vou deixar teus documentos na encruzilhada...

Assaltante paulista

Ôrra, meu... Isso é um assalto, meu... alevanta os braços, meu.

Passa a grana logo, meu...

Mais rápido, meu, que eu ainda preciso pegar a bilheteria aberta pra comprar o ingresso do jogo do Curintia, meu... Pô, se manda, meu...

Assaltante brasiliense (candango)

Querido povo brasileiro, estou aqui, no horário nobre da TV para dizer que no final do mês, aumentaremos as seguintes tarifas: água, energia, esgoto, gás, passagem de ônibus, IPTU, IPVA, licenciamento de veículos, seguro obrigatório, gasolina, álcool, imposto de renda, IPI, ICMS, PIS, COFINS.

Desta forma, os materiais utilizados para ilustrar tal conteúdo, ensejam uma aula criativa e dinâmica, na qual tivemos o cuidado de mostrar que todos esses dialetos não devem estar a serviço do preconceito linguístico, uma vez que estas variedades caracterizam-nos, identificam-nos e nos unem como um povo de Língua Portuguesa - nosso traço cultural distintivo.

Assim foi então gestada a ideia da produção dos vídeos - os quais deveriam conter aspectos das variedades linguísticas/dialetos sob a perspectiva do estereótipo linguístico e regional brasileiro tendo como cenário um telejornal com fortes matizes de paródia.

Em virtude do foi mencionado, tal atividade mostrou-se um bom recurso pedagógico na medida em que serviu de veículo para que os alunos praticassem os conteúdos ministrados, como também contribuiu para que os mesmos se colocassem como protagonista do seu próprio processo de ensino/aprendizagem